sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Maldita dor de garganta...


terça-feira, 17 de setembro de 2013

Cabaré do Goucha

Hoje enquanto aguardava que o mais que tudo ligasse o SKYPE, encontrei o blog do Goucha! E não é que gostei?
Espreitem aqui.... http://www.cabaredogoucha.pt/



O Maldisposto...





Os insatisfeitos com a vida...

Perturbam-me as pessoas que vivem insatisfeitas com a vida que têm. Queixam-se do trabalho, queixam-se da família, queixam-se dos amigos, são uns desgraçadinhos, ninguém os compreende, só eles é que trabalham e são explorados e bla bla bla bla bla... Calhou-me um destes como colega!
Desde que trabalho nesta empresa, já lá vão 5 anos, que este senhor tem revelado ser um personagem estranho, ora é muito amigo, ora olha para nós com ar de quem nos vai matar em pouco tempo! Vem ter comigo e diz mal do colega do lado, vai ter com o colega do lado e diz mal de mim e percorre o edifício todo a dizer mal deste e daquele.Às vezes durante as curtas conversas que tem comigo e que normalmente são a dizer mal de alguém, pressinto que aquele senhor guarda tanta raiva dentro dele que até dá dó. Os olhos dele parece que vão saltar fora, as narinas abrem-se como se estivessem prestes a libertar todo o fogo que existe dentro dele... Temo o dia em que ele entrará por aquela porta de arma em punho e comece a disparar, sim tem ar de serial killer!
Um destes dias veio pedir-me o contacto da minha veterinária pois a cadela dele estava doente. Eu dei e ele questionou-me se ela seria muito cara, disse que tinhas preços normais, talvez um pouco mais em conta do que nas clínicas, no entanto, como se desloca a casa dos clientes também cobra o valor da deslocação. No dia seguinte quase que fui insultada!!!!Porque tinha mais o que fazer ao dinheiro do que andar a gastar com os animais, porque não tinha a minha carteira e coisas do género. Hellooooooo eu pensava que lhe tinha feito um favor????? E se não tem dinheiro para gastar com os animais, que não os tenha! Toda a gente sabe que o ter animais requer alguns cuidados e alguma disponibilidade financeira e eu sei do que falo. Em vez de ter 3 gatos que tenha 1!
Acabo por me desorientar sem perceber muito bem como lidar com este senhor, porque muitas das vezes se chego e lhe dou um bom dia com um sorriso, levo em troca um bom dia muito mal encarado, outras vezes se digo um bom dia mais sério, levo com um sorriso.
Isto do negativismo tem muito que se lhe diga e pior, é contagioso.


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

À Beleza

Não tens corpo, nem pátria, nem família,
Não te curvas ao jugo dos tiranos.
Não tens preço na terra dos humanos,
Nem o tempo te rói.
És a essência dos anos,
O que vem e o que foi.

És a carne dos deuses,
O sorriso das pedras,
E a candura do instinto.
És aquele alimento
De quem, farto de pão, anda faminto.

És a graça da vida em toda a parte,
Ou em arte,
Ou em simples verdade.
És o cravo vermelho,
Ou a moça no espelho,
Que depois de te ver se persuade.

És um verso perfeito
Que traz consigo a força do que diz.
És o jeito
Que tem, antes de mestre, o aprendiz.

És a beleza, enfim. És o teu nome.
Um milagre, uma luz, uma harmonia,
Uma linha sem traço...
Mas sem corpo, sem pátria e sem família,
Tudo repousa em paz no teu regaço.

Miguel Torga, in 'Odes'
E de repente a nossa estabilidade emocional começa a desmoronar.
Uma viagem consegue criar um fosso no nosso mundo de tal ordem, que tudo aquilo em que acreditávamos até agora, começa a ser uma suposição. Todo o equilíbrio que tinha ganho neste último ano desvaneceu num fechar de olhos, toda a luta que travei contra a minha insegurança parece ter sido em vão.
Apenas existe uma certeza...a que o amor existe e que a luta vai ser renhida, mas a batalha será ganha.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013



Mas eu não quero  me encontrar com gente louca" observou Alice.
" Você não pode evitar isso" replicou o gato. "Todos nós aqui somos loucos.Eu sou louco,você é louca". "Como você sabe que eu sou louca?" indagou Alice.
"Deve ser", disse o gato, "Ou não estaria aqui".


                                                                                         Alice no País das Maravilhas

Happy Family!


quinta-feira, 12 de setembro de 2013

A leitura do momento...

Inspirado em casos irreais, Os chouriços são todos para assar é uma viagem em contramão pelas estradas secundárias do país, marcada por encontros com personagens encantadoras e situações delirantes.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Eu e o Rato

Descobri que anda um rato à solta aqui no escritório!
A minha colega que regressou ontem de férias, ao abrir a sua gaveta do "lanche" descobre que tem menos 3 chocolates, de um deles resta apenas o papel, sendo um kinder presumo que o bicho ande com falta de cálcio ou que é um rato bebé.
Resta-me esperar que ele mude de rumo e que vá visitar outra freguesia, porque se calha de se cruzar comigo não sei o que será de mim!!!!
Sim sou uma defensora dos animais, desde que eles não tenham aquele rabo nojentinho, que me provoca arrepios só de pensar.
Este até é fofinho e como não se vê o rabo, não me mete tanto medo...

Mango querida Mango... e as possiveis compras de Inverno...









domingo, 8 de setembro de 2013

Achas que sabes dançar?

Hoje ao ver a Rita Spider dançar lembrei-me do Achas que sabes dançar?
Pena não terem feito uma nova edição do programa, a primeira foi brutal. Esta foi uma das minhas coreografias preferidas.
Deixa-me com o bichinho da dança...

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O Diabo e a Gemada - a ler...

Em 1943, Milão está sob as bombas dos Aliados, e nas proximidades da via Padova, uma criança extraordinariamente curiosa, inicia a sua aprendizagem de vida. Chama-se Sveva e tem 5 anos. É este o contexto de O Diabo e a Gemada, um relato autobiográfico em que a autora percorre os anos da Segunda Guerra Mundial, que se desenrolam entre a casa de família em Milão e uma quinta, nos arrozais de Trezzano sul Naviglio, na Lombardia. A comida é o fio condutor que atravessa os episódios deste relato, em que se entrelaçam memórias e emoções, sabores e receitas e cujos acontecimentos estão sempre ligados à elaboração de um prato ou a uma refeição partilhada.

Com uma descrição cuidada e rigorosa de pessoas, sabores e costumes, Sveva Casati Modignani devolve-nos um mundo, não tão longínquo, mas do qual estamos a perder a memória.


quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Que fofo!


A ler...

Côte d'Azur, 1998. Émilie lutou sempre contra o seu passado aristocrático. Agora, com a morte da mãe, é obrigada a confrontá-lo pois é a única herdeira do imponente castelo da família. Mas com a casa vem uma pesada dívida e muitas interrogações: qual era a finalidade do quarto secreto que descobre por baixo da adega? Quem é a misteriosa Sophia, que assina um comovente caderno de poemas? Quem foram os protagonistas da trágica paixão que mudou o curso da história da família? Londres, 1943. Em plena Segunda Guerra Mundial, a inexperiente Constance Carruthers é recrutada pelos serviços de espionagem britânicos e enviada para Paris. Um incidente separa-a do seu contacto na Resistência Francesa, obrigando-a a refugiar-se junto de uma família aristocrata que entretém membros da elite de Hitler ao mesmo tempo que conspira para libertar o país. Numa cidade repleta de espiões e no auge da ocupação nazi, Constance vai ter de decidir a quem confiar o seu coração. Constance e Émilie estão separadas por meio século mas unidas por laços que resistiram à força demolidora do tempo. Os segredos que o passado encerra pulsam ainda em busca de redenção.